jusbrasil.com.br
28 de Março de 2020

Moral para Kant - O dever de mentir ou não pelo cliente

JA Reis Advocacia e Assessoria, Advogado
há 5 meses

Kant trata no capitulo V do livro de Michael Sandel, Justiça – O que é fazer a coisa certa, que poderíamos defender a felicidade da maioria das pessoas, porém não estaríamos baseando-nos no respeito, mas sim no objetivo de tornar as coisas melhores para um maior número de pessoas.

Kant parte da sistemática de que somos seres racionais, merecedores de dignidade e respeito, trazendo para cá o referente da moral, que não diz ao aumento da felicidade ou qualquer outra finalidade, mas afirma, no contrário, que ela esta fundamentada no respeito às pessoas como fins em si mesmos, sem outra finalidade legal.

O pensamento contemporâneo disserta sobre moral e política, figura também sobre liberdade e justiça, o bem estar ou a felicidade as sociedade como um todo, associam então a justiça a liberdade.

Kant não aprova a maximização do bem estar nem a valorização da virtude. Só porque uma coisa proporciona prazer a muitas pessoas, isso não significa que possa ser considerada correta. O simples fato de a maioria, por maior que seja, concordar com uma determinada lei, ainda que com convicção, não faz com que ela seja uma lei justa, pois esses valores são variáveis e contingentes. Basear os princípios morais em preferência e desejos, mesmo sendo o desejo da felicidade – seria um entendimento equivocado do que venha a ser moralidade. O principio utilitarista da felicidade “não traz nenhuma contribuição para o estabelecimento da moralidade, visto que fazer um homem feliz é muito diferente de fazer dele um homem bom”. Isso não nos ensina a distinguir o certo do errado, mas “apenas a sermos mais espertos”.

Fundamenta ele que a moralidade se tem pela “pura razão prática”,

que somos merecedores de respeito, porque somos seres racionais, capazes de

pensar; somos também autônomos, capazes de agir e escolher livremente, ou seja, temos a capacidade de raciocinar e de ser livres, e que essa capacidade é comum aos seres humanos.

Nossa capacidade de raciocinar esta intimamente ligada a nossa capacidade de sermos livres, ela nos transformam em algo mais do que meras criaturas com apetites.

Pode-se definir liberdade como ausência de obstáculos para que possamos fazer o que quisermos. Porém para Kant, para agir livremente, deve- se agir com autonomia e agir com autonomia é agir de acordo com a lei que imponho a mim mesmo e não de acordo com os ditames da natureza ou das convenções sociais. E se não existe autonomia, não pode haver responsabilidade moral. Agir livremente não é escolher as melhores formas para atingir o determinado fim, é escolher o fim em si.

Kant comenta sobre a determinação heteronômica (fazer alguma coisa por causa de outra coisa, por causa de outra coisa e assim por diante), agimos em função de finalidades externas. Nós somos os instrumentos e não os autores, dos objetivos que tentamos alcançar.

Essa capacidade de agir com autonomia é o que confere à vida humana a sua dignidade especial. Ela estabelece a diferença entre pessoas e coisas. O respeito à dignidade humana exige que tratemos as pessoas como fins em si mesmas, por isso é errado usar algumas pessoas em prol do bem-estar geral.

Tudo isso leva à questão do que dá valor moral a uma ação. Ela nos leva do rigoroso conceito de liberdade de Kant a seu igualmente rigoroso conceito de moralidade.

Moral de uma ação não consiste em suas consequências, mas na intenção com a qual a ação é realizada, o motivo de uma determinada natureza. Importa fazer a coisa certa porque é a coisa certa, e não por algum outro motivo exterior a ela, o valor moral a uma ação é o dever, o que para Kant é fazer a coisa certa pelo motivo certo, insistindo que apenas as ações motivadas pelo dever têm valor moral.

Motivando a diferença entra dever e inclinação se o ato tem valor moral ou não, reafirmando que fazer alguma coisa porque é certo, não porque é útil ou conveniente, confere valor moral a uma ação.

Kant presume três quesitos fundamentais para termos o princípio moral supremo: moralidade, liberdade e a razão. O primeiro desses contrastes, entre dever e inclinação, apenas a motivação do dever confere valor moral a uma ação; Kant argumenta que toda ação é governada por algum tipo de lei.

Sendo assim, se somos capazes de ser livres, devemos ser capazes de ser livres, devemos ser capazes de agir não apenas de acordo com uma lei nos tenha sido imposta, mas de acordo com uma lei que outorgamos a nós mesmos, advindo esta tal lei de nossa razão.

Thomas Hobbes definia a razão como a “a sentinela dos desejos”.

David Hume a chamava de “escrava das paixões”.

O conceito kantiniano de razão – de razão prática, aquela que tem a ver com a moralidade – não é o de uma razão instrumental, se sim “uma razão prática pura, que cria suas leis a priori, a despeito de quaisquer objetivos empíricos”. Então Kant acaba tendo duas distinções de como a razão tem este poder de moralidade: os imperativos categóricos e os imperativos hipotéticos. O hipotético é definido pelo desejo quando o categórico uma ação incondicional. Somente um imperativo categórico, segundo Kant, pode ser considerado um

imperativo da moralidade. Define ele o categórico em duas formas, porém resultam basicamente na mesma coisa.

Imperativo categórico I: a universalização da máxima (fórmula da lei universal)– princípio que propicia a razão para a ação de uma pessoa, só podemos agir sem entrar em contradições, ou seja, se todos fizerem falsas promessas sempre que precisarem de dinheiro, por exemplo, ninguém mais acreditará nessas promessas, isso mostra que fazer promessas falsas é moralmente errado, incoerente com o imperativo categórico. Uma falsa promessa não é moralmente errada porque, de modo geral, subverte a confiança social. Ela é errada porque, ao fazê-la, priorizamos nossa necessidade e nosso desejo.

Imperativo categórico II: a concepção da humanidade como fim – a humanidade, o homem, e em geral todo o ser racional, existe como um fim em sim mesmo; não tem apenas um valor relativo: têm muito mais, têm valor absoluto, um valor intrínseco, ou seja, os seres racionais têm dignidade, diferenciando-nos como seres humanos das coisas. Então aja de forma a tratar a humanidade como um fim em si mesmo.

O auto respeito e o respeito ao próximo partem de um mesmo e único princípio, o dever do respeito é um dever que temos para com as pessoas como seres racionais, que tem humanidade. O respeito kantiano, no entanto, é o respeito pela humanidade em si, pela capacidade racional que todos possuímos. Para Kant, a justiça obriga-nos a preservar os direitos humanos de todos, independentemente de onde vivam ou do grau de conhecimento que temos deles, simplesmente porque são seres humanos, seres racionais e, portanto, merecedores de respeito.

Mas qualquer princípio baseado no interesse “jamais passou de um princípio condicionado a algo externo e não poderia ser considerada uma lei moral”.

O imperativo categórico obriga-nos a abstrair essas contingencias e a respeitar as pessoas como seres racionais, independentemente do que elas possam desejar em uma determinada situação. Quando optamos pela lei moral, não fazemos escolhas como pessoas individuais que somos, mas como seres racionais, que participam daquilo que Kant considera “pura razão prática”, sendo errado considerar que a lei moral depende de nós como indivíduos.

Na medida em que exercitamos a pura razão prática, nós nos afastamos de nossos interesses particulares.

Kant afirma que só posso me considerar livre a partir desse segundo ponto de vista (inteligível), “porque ser livre é não depender de determinação do mundo sensível (e isso é o que a razão deve sempre atribuir a si mesma)”.

Quando nos consideramos livres, estamos nos tornando membros do mundo inteligível, reconhecendo a autonomia da vontade assim como sua consequência: a moralidade.

Seria difícil, ou quase impossível, que nós nos compreendêssemos, que encontrássemos algum sentido para nossas vidas, sem alguma concepção de liberdade e moralidade, comprometendo-nos então com dois pontos de vista: o do agente e o do objeto. Já que somos simultaneamente, de ambos os domínios – o da necessidade e o da liberdade – existirá sempre uma lacuna potencial entre o que fazermos e o que devemos fazer, entre como as coisas são e como deveriam ser, vendo que a moralidade não é empírica e que negar a liberdade é impossível, pois a moralidade e a liberdade não são conceitos empíricos.

Sendo então para que seja autônomo é preciso que seja governado por uma lei que outorgo a mim mesmo – configurando o imperativo categórico, sendo este que exige que eu trate as pessoas (incluindo a mim mesmo) com

respeito, como finalidade, e não como um simples meio. Tratamento diferente transformaria a pessoa um uma simples coisa, em um objeto de uso.

Tratemos então a humanidade – nós mesmos e todas as outras pessoas

– nunca somente como um meio, mas como uma finalidade em si. O auto respeito e a dignidade humana – entre uma ética de consentimento ilimitado e uma ética de respeito pela autonomia e pela dignidade dos indivíduos.

Então indaga Kant em cima da mentira, que se obtêm muito rigorosamente contra tal, afirmando ser um comportamento principal da imoralidade. O dever de falar a verdade só se aplica, alegou Constant, àqueles que merecem a verdade, já Kant discorda e reforça que a mentira viola o princípio do que é correto, assim com ele mesmo diz: “a mentira – qualquer mentira – corrompe a própria essência daquilo que é certo (...) a verdade (honestidade) em todas as declarações é, portanto, uma lei sagrada e incondicional da razão, que não admite qualquer forma da transigência”.

Se abrirmos exceções sempre que considerarmos que nossas finalidades o exijam, estaremos destruindo o caráter categórico da lei moral, porém existe uma diferença moral entre a mentira e a dissimulação: uma simples mentira resolveria o problema, demonstra, embora indiretamente, respeito pela lei moral. Uma verdade enganosa tem dois motivos e não um apenas, de acordo com a motivação do dever, na verdade, é que uma declaração enganosa mais assim verdadeira não coage ou manipula o ouvinte da mesma forma que o faz uma mentira categórica.

Declarações verdadeiras são moralmente permissíveis de uma forma que mentiras puras e simples não são.

Então princípios morais não podem derivar apenas de fatos empíricos. Da mesma forma que a lei moral não pode ter como base os interesses ou desejos

dos indivíduos, os princípios de justiça não podem s fundamentar nos interesses ou desejos de uma comunidade.

Então ao entendimento devemos agir moralmente perante a sociedade em que vivemos, e então devemos entender também que o comportamento mentiroso é o principal exemplo do comportamento imoral.

Devemos entender que só devemos falar a verdade independente das consequências, porque é o certo a fazer e não violamos esse principio do que é o correto.

Ao tempo em que o advogado abraça a causa de seu cliente, ele se exime da mentira, pois seu cliente lhe passa a versão do que aconteceu em concretude então o advogado, defende o que lhe é passado, arduamente. Pois seu papel é a mera defesa e representação da pessoa física ou jurídica, que o procurou.

Não podemos então condenar o advogado por mentir ou não, pois apenas defende de forma a proteger seu cliente. Podemos sim julgar a intenção moral de seu cliente lhe passar falsas informações. E defendo novamente que ao advogado cabe apenas o dever de representar e defender seu cliente, mesmo se por algum motivo seu cliente mentiu para ele ou fez tal ato com intenção de não criar provas para si mesmo, afim de que seu advogado tenha um sucesso mais facilmente.

Porém volto a dizer que a partir de estar representando seu cliente, ele no ato se exime, pois averigua se seu cliente está mentindo ou não, e o representa tão somente.

E é claro que o advogado sabendo a verdade, não deve mentir, pois fere o moral social e o princípio do que é correto. Ele deve ter habilidade o suficiente para poder defender seu cliente arduamente e com sucesso.

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)